top of page

Obrigada

Há fontes que ficam tão agradecidas de poderem de, alguma forma, tornarem públicas as suas histórias, que oferecem pequenas lembranças ao jornalista. Muitas vezes esse presente vem em forma de telefonema, de um abraço ou até de um chocolate. Para uma matéria que estou fazendo sobre jovens que querem ser políticos, entrevistei um menino de 18 anos, natural de Cachoeira Paulista. Engajado e determinado, ele pretende um dia, ser presidente da República. Desta vez, surpreendemente, ao final da entrevista, o jovem foi até a sua mochila e, quando voltou, apareceu com uma grande bandeira do Brasil. Dessas que a gente sempre tem vontade de comprar na Copa do Mundo, mas deixa quieto e acaba suspirando pela bandeira alheia. Ele quer ser político, quer melhorar o país, quer ser diferente. Nos entregou o símbolo do país para, de alguma forma, selar esse compromisso. Eu, que nunca tive uma bandeira dessas em casa, fiquei surpresa e feliz. - Quer mesmo nos dar a bandeira? Não irá fazer falta? Ele não quis conversa. Dobrou o pano em quatro e deixou em nossas mãos. Obrigada.

Posts recentes

Ver tudo

emoção acumulada

hoje estava falando com a minha irmã sobre notícias tristes do dia a dia que guardamos em cantos escuros dentro do cérebro sem se dar conta do que aquilo faz. são pequenos estresses, medos e indignaçõ

Pandemia sem bater meta

Eu não estou conseguindo fazer planos nesta pandemia. Desculpa. Não tô estudando línguas, fazendo cursos online, planejando viagens pós-covid, cumprindo abdominais na varanda, estabelecendo objetivos

decisões que mudaram meu 2020.

no auge da pandemia, em março, um hospital que é nosso cliente há muito anos nos chamou para fazermos gravações sobre conteúdo de coronavírus. nós recusamos os primeiros convites. era início da quaren

Fique por dentro de todas as newsletters

  • Instagram
  • Twitter
bottom of page