top of page

Pandemia sem bater meta

Eu não estou conseguindo fazer planos nesta pandemia. Desculpa. Não tô estudando línguas, fazendo cursos online, planejando viagens pós-covid, cumprindo abdominais na varanda, estabelecendo objetivos pra alcançar daqui 6 meses. Sem julgamentos. Só contando o que tá rolando do lado de cá.

Tô tocando. Me alimentando com café preto de manhã, frutas e comidas saudáveis ao longo do dia. Continuo no pilates. Tô lendo meus livros sem a intenção de acabar 1 por semana. Vejo séries que me fazem bem e às vezes filmes que me fazem chorar. Zapeio em programas de veterinária e de centros cirúrgicos. Saio pra andar na rua aos sábados pra tomar um solzinho. Assino jornal porque é meu ritual há 15 anos em São Paulo. Gosto do papel na mão e do acolhimento que o impresso me traz. Pesquiso lentes, acessórios e takes que possam contribuir pro meu trabalho. Gosto de estudar audiovisual com vídeos do Youtube. Me impressiono com a diversidade de ideias criativas no TikTok. Aliás, filtrei o aplicativo de um jeito que hoje em dia eu acho que só aparece insights interessantes pra mim. E vou indo sem pressa.

Uso filtro solar, às vezes compro panelas pela internet e esses dias reuni sacolas de roupas minhas pra doação. Não tô conseguindo tomar drinks em bares e experimentar novos restaurantes. Eu curtia muito fazer isso. Mas estou com medo e resolvi me isolar. Os almoços e jantares são sempre em casa, e a louça também. Acordo, vou para o trabalho e quando termino, volto pra casa. Aliás, enchi o escritório de plantas, o que me dá a sensação de que o trabalho é o que mais me acolheu na pandemia.

E sem expectativas. Sem a ansiedade de achar que o mundo será salvo após a vacina (já que tem muita gente para ser vacinada ainda e muitas variantes que a gente não sabe como vão se comportar) e sem me cobrar de que eu deveria estar me tornando uma pessoa melhor depois que o coronavírus dominou o mundo. Hoje foi um dia interessante. Precisava fazer um roteiro difícil mas há meses eu não criava um. Estava mais concentrada em captação e edição nas últimas semanas. E aí vi a indicação de que vídeos como este e este aqui podiam ajudar na concentração durante o trabalho. Não acreditei muito mas coloquei para ouvir e abri a página em branco. Em duas horas consegui focar como há muito tempo não fazia e terminei o roteiro num tempo recorde. Foi bom conseguir retomar a concentração plena, nem que por apenas algumas horas. Durante as atividades do dia, eu acabo me distraindo com mil coisas e às vezes me esqueço que eu tenho a capacidade de parar e fazer uma coisa só.

Vou à feira nas quintas comprar verdura fresca. Falo com meu sobrinho por FaceTime, lavo o cabelo em dias alternados. Tô mantendo a saúde mental e dormindo até às 10h no domingo. Durante a semana, quando as gravações são muito puxadas, tomo um banho quente e finalizo o dia com cobertor no pé, deitada no sofá. Viciei em newsletters, chocolate 70% e água gelada com limão cravo. De sexta à noite, vinho rosé.

Sem planos, eu sei. Sem imaginar como vai ser a minha vida daqui a 5 anos. Perdão. Não é nisso que quero pensar agora. Sigo resolvendo as pendências e os compromissos conforme eles vão aparecendo. O mundo está de cabeça para baixo e eu pretendo viver o presente da forma mais saudável e menos angustiante possível. E cada um, certamente, deve fazer o que naturalmente sente vontade. Tem muita pandemia pela frente e para mim, por enquanto, bater metas não é prioridade.

Posts recentes

Ver tudo

emoção acumulada

hoje estava falando com a minha irmã sobre notícias tristes do dia a dia que guardamos em cantos escuros dentro do cérebro sem se dar conta do que aquilo faz. são pequenos estresses, medos e indignaçõ

decisões que mudaram meu 2020.

no auge da pandemia, em março, um hospital que é nosso cliente há muito anos nos chamou para fazermos gravações sobre conteúdo de coronavírus. nós recusamos os primeiros convites. era início da quaren

Comments


Fique por dentro de todas as newsletters

  • Instagram
  • Twitter
bottom of page