top of page

Billie Jean

Acordei esta manhã ouvindo Billie Jean. Lembo que gostei mesmo dessa música durante umas férias de verão, em que uma banda chama Trash Pour Four fazia cover do Michael. A moça afinava a voz, segurava forte a guitarra e se arriscava nos passinhos a la Jackson.

De acordo com a diarista que trabalha aqui em casa, ninguém nunca ouviu Michael, mas agora que ele morreu, todo mundo começou a gostar. Inclusive eu.

Aproveitei a deixa e ouvi a discografia completa do astro. O bom Michael morreu há muito tempo. Michael já foi estrela, já foi o máximo e o mais criativo dos dançarinos. E lá ficou. Ele já não era o que foi há muito tempo. Pela idade, problemas ou pela mídia, ele se cansou e parou.

Uma nova turnê estava por vir, se seria boa ou não, jamais iremos saber. Mas já que não veio, o que temos de bom de Michael, é o que ele fez há muitos anos atrás.

Posts recentes

Ver tudo

emoção acumulada

hoje estava falando com a minha irmã sobre notícias tristes do dia a dia que guardamos em cantos escuros dentro do cérebro sem se dar conta do que aquilo faz. são pequenos estresses, medos e indignaçõ

Pandemia sem bater meta

Eu não estou conseguindo fazer planos nesta pandemia. Desculpa. Não tô estudando línguas, fazendo cursos online, planejando viagens pós-covid, cumprindo abdominais na varanda, estabelecendo objetivos

decisões que mudaram meu 2020.

no auge da pandemia, em março, um hospital que é nosso cliente há muito anos nos chamou para fazermos gravações sobre conteúdo de coronavírus. nós recusamos os primeiros convites. era início da quaren

Fique por dentro de todas as newsletters

  • Instagram
  • Twitter
bottom of page